“Quanto mais rápido for pedido socorro em situações de emergência, menos danos haverá”

IX Feira da Proteção Civil realiza-se no Centro comercial NorteShopping entre os dias 24 de fevereiro e 5 de março. Haverá crianças fardadas, demonstrações de suporte básico de vida, rastreios e muito mais.

Se nos próximos dias 2 e 3 de março o seu automóvel for parado por polícias ou GNR de palmo e meio, nas imediações do parque estacionamento do NorteShopping, não se admire nem se assuste, porque apenas lhe farão uma fiscalização preventiva. Haverá workshops, palestras, rastreios, ações de sensibilização e atividades para toda a família no âmbito da IX edição da Feira da Proteção Civil de Matosinhos, que decorre entre os dias 24 de fevereiro e 5 de março naquele centro comercial de Matosinhos.

Susana Gonçalves, coordenadora operacional municipal da Proteção Civil, explicou que “esta feira é uma oportunidade para mostrar à população aquilo que os agentes da proteção civil desenvolvem no dia-a-dia e quais são as suas várias valências”, ou seja, “aquilo que fazem e não se vê na sua intervenção normal”. A representante acrescentou que “é uma forma privilegiada de abordar um grande número de pessoais, reunindo diversos agentes e parceiros na área da proteção civil em tempos diferentes”, porque de “dois em dois dias a temática vai mudando” – passando por “Incêndios”, “Segurança”, “Matérias Perigosas” e “Dia Internacional da Prevenção Civil”, “Prevenção Rodoviária” e o “Dia da Saúde”.

Nos dias dedicados à “Segurança”, haverá várias conferências na Fnac e divulgações, sobre a Substituição da Carta de Condução por Alteração dos Elementos, a App e-segurnet – a participação de acidentes por telemóvel, entre outras. Por seu lado, os momentos dedicados às “Matérias Perigosas”, contarão com a presença do Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental – Matosinhos (CMIA) e CIIMAR – Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental de Matosinhos, que se dedicam à investigação e prevenção na área de poluição marítima irão desenvolver atividades lúdicas com as crianças, onde haverá aquários que simulam os efeitos nocivos da poluição, palavras cruzadas e pintura, por exemplo.

 Já a autoridade marítima responsável pela proteção terá uma exposição de equipamentos de proteção contra poluentes marítimos. Durante o Dia da Saúde, em que estarão presentes o INEM, a Cruz Vermelha, o Instituto Cuf e a Santa Casa da Misericórdia através do Hospital da Prelada, haverá demonstrações de suporte básico de vida – os visitantes do centro poderão experimentar e treinar no local –, rastreios ligados à tensão arterial, glicemia, ecocardiograma, espirometria; consultas de nutrição e consciencialização para a prevenção de acidentes na grávida, entre várias atividades.

Haverá ainda operações Stop realizadas por crianças da escola EB1 Irmãos Passos, vestidas com fardas idênticas às forças de segurança que as irão acompanhar. Estes pequenos agentes da autoridade irão fazer perguntas e dar conselhos aos automobilistas para alertar sobre “Prevenção Rodoviária”.

Segundo Susana Gonçalves, “as maiores falhas, em questões de segurança, prendem-se com a dificuldade de as pessoas conseguirem perceber que quanto mais rápido for o socorro, menos danos haverá na situação em que se aplica – muitas vezes, não têm conhecimentos suficientes para resolver determinada situação e onde isso mais se verifica é no caso dos incêndios, por exemplo”. No entanto, a coordenadora ressalva que não obstante o facto de pedirem socorro, “não invalida que a pessoa possa intervir”, mas essa ajuda tem de ser pedida o mais rápido possível para que “a intervenção chegue a tempo de minimizar o prejuízo”. E “que se passe bem esta mensagem!”, sublinha ainda.

Susana Gonçalves avança que “apesar de saberem as regras de segurança, muitas pessoas não levam as crianças na cadeirinha do carro”, por exemplo. “Constatamos que às vezes, as pessoas sabem e não aplicam e tentamos alertar para o facto de ser um comportamento extremamente perigoso e não apenas teoria”, insiste. Mas, “saber fazer é muito importante também e aqui terão oportunidade de aprender”, concluiu a responsável.

A inauguração, que decorreu às 16h do primeiro dia, contou com as presenças do presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Eduardo Pinheiro, do diretor do NorteShopping, João Fonseca, e de altos representantes das diversas entidades. Segundo o edil, “esta iniciativa tem a vantagem de colocar a comunidade escolar e a população em geral em contacto com as várias instituições que atuam na proteção e na segurança dos cidadãos. A feira assume também uma importante função pedagógica, ajudando os cidadãos a perceber o que podem e devem fazer em determinadas situações de perigo”.

“Esta ação permite-nos não só a interação como esclarecer a comunidade para questões tão importantes como a segurança e a proteção”

João Fonseca, diretor do NorteShopping, salienta, a prProteção Civil 2opósito desta iniciativa, que acolher a Feira da Proteção Civil – que o centro recebe pelo quinto ano – é uma “forma contribuir para a sensibilização da população” e “todas as entidades envolvidas têm um papel fulcral na vida do nosso dia-a-dia”. E resume ainda: “esta ação permite-nos não só a interação como esclarecer a comunidade para questões tão importantes como a segurança e a proteção”.

Durante a abertura, houve ainda uma atuação da banda da Polícia de Segurança Pública de Matosinhos, na Praça da Indústria, situada no Piso 0.

Publicação
01 de Março de 2017
Categorias
Família
Partilhar

Tudo o que precisa num único espaço